Hipertensos devem ser atentos aos efeitos adversos do calor no verão

Postado em: Saúde e Bem estar - 15/01/2021

Com vários estados brasileiros batendo recordes em altas temperaturas, é importante que as pessoas que sofrem de pressão alta (hipertensos) estejam atentos à alteração da pressão arterial. O calorão pode promover inúmeros efeitos adversos sobre o nosso corpo. Normalmente, os mais afetados por essa queda de pressão são as pessoas mais idosas, que já tomam medicamentos para a pressão e podem sofrer com essa mudança repentina da dinâmica do sangue no corpo.

De acordo com a nutricionista da Natuclin, Alessandra Straube, o corpo sua muito mais nos dias de calor e assim pode ficar desidratado. Por isso, é fundamental tomar bastante água durante o dia. Além disso, para evitar outras complicações, é importante evitar bebidas industrializadas como suco em pó, de caixinha, refrigerante.

Se uma pessoa quiser alternar com outros liquidos, a especialista indica água de coco, chás, sucos naturais. ”Não espere sentir sede, pois isso já é sinal de que  o organismo está em desequilíbrio”, diz Alessandra.

Além de hidratação, Alessandra também deu outras dicas valiosas para que a pessoa hipertensa tome cuidados no calor.

Confira:

O que é ser hipertenso?

De acordo com Alessandra Straube, a hipertensão arterial pode resultar em problemas de saúde delicados como derrame cerebral, complicações renais e infarto. Ela alerta que é importante que o indivíduo fique atento a sintomas como dor de cabeça, tontura, dor no peito, falta de ar e palpitações.

Se a pressão estiver baixa, os sintomas podem ser de tontura, desânimo, sonolência, náuseas, vômitos e podem chegar até o desmaio. A nutricionista da Natuclin explica que uma pessoa pode ser considerada hipertensa se apresentar pressão maior ou igual a 14 por 9 em boa parte do tempo.

Segundo ela, não controlar a pressão arterial pode resultar em problemas no coração. ”O órgão não recebe oxigenação adequada, o que pode até mesmo resultar em infarto”, alerta Alessandra.

Falta de sono

Para a especialista, a falta de sono pode ser prejudicial para a saúde como um todo, afinal, isso vai prejudicar o coração, o cérebro e enfraquece o sistema imunológico. Com isso, um indivíduo vai acabar ficando mais estressado e indisposto.

”Dormir mal, ou seja, menos de 6 horas resulta no desequilíbrio nos hormônios que regulam o sono. O cérebro não executa os comandos corretamente e se mantém ativo, e isso gera uma sobrecarga ao sistema cardiovascular”, afirma Alessandra.

Segundo ela, dormir bem faz com que a frequência cardíaca e a pressão arterial reduzam, sendo uma pausa para que o sistema cardíaco se recupere.

A nutricionista destaca que uma das ações mais importantes para a manutenção de bons hábitos é a atividade física. Para Alessandra, os exercícios deve ser praticados preferencialmente com acompanhamento profissional.

Alimentação

Para quem sofre de hipertensão, Alessandra Straube indica uma dieta bem específica, que deve começar por evitar o consumo em excesso de sal, principalmente em alimentos com muito sódio como os industrializados. A ideia é usar temperos naturais na comida, como manjericão, orégano, alecrim, coentro e salsa.

Outras restrições são contra açúcar e farinha, que podem inflamar muito o organismo. Segundo Alessandra, é importante incluir diariamente nas refeições alguns alimentos fontes de ômega 3. Entre eles estão frutas cítricas e com propriedade diurética como o abacaxi, melancia e melão.

As verduras e legumes precisam ser consumidas  em porções generosas. Entre as citadas pela especialista estão: abobrinha, berinjela, abóbora, couve flor, cenoura, entre outros.

Por fim, Alessandra cita uma dieta que foi desenvolvida especificamente para combater a hipertensão, a dieta Dash vai determinar os grupos de alimentos e as quantidades que precisam ser consumidas.

Veja como funciona a Dash:

Grãos e cereais: 6 a 8 porções diárias

Vegetais:4 a 5 porções diárias

Frutas:4 a 5 porções diárias

Leites e derivados: 2 a 3 porções diárias

Proteína magra: 1 a 2 porções diárias

Nozes e sementes: Até 5 porções por semana.

 

Recomendados para você